Mal de Alzheimer – Conheça os sintomas

 

Ainda que nenhuma pesquisa científica tenha comprovado exatamente as causas do Alzheimer, acredita-se que determinadas características de uma proteína presente no cérebro estejam relacionadas ao desenvolvimento da doença. Além disso, há outros fatores ambientais e relacionados ao estilo de vida que influenciam o surgimento desse problema.

Na verdade, a doença de Alzheimer aparece, em geral, após os 70 anos de idade e causa degeneração progressiva dos neurônios — as células do cérebro. E isso pode comprometer importantes funções relativas à memória, raciocínio, atenção, linguagem, equilíbrio, orientação espacial e, principalmente, à capacidade de cuidar de si próprio.

Conheça, agora, as principais causas do Alzheimer e saiba como auxiliar idosos acometidos por essa doença. Boa leitura!

Afinal, o que é o Mal de Alzheimer?

Essa doença foi descrita pela primeira vez no início do século XX pelo neuropatologista e pesquisador alemão, Alois Alzheimer. Em homenagem a ele, esse problema ficou conhecido como Mal de Alzheimer. Devido à dificuldade de diagnóstico e a impossibilidade de cura, essa doença se tornou um dos maiores problemas de saúde pública do mundo.

Em linhas gerais, o Alzheimer afeta as funções das células cerebrais pelo desgaste gradual que ocorre nos neurônios ao longo da vida. No entanto, existem fatores que acentuam esse desgaste natural e evoluem para as condições que caracterizam essa doença típica da senilidade.

Muitas questões relacionadas ao Alzheimer ainda estão em estudo, inclusive, no que se refere ao diagnóstico definitivo, já que ela só pode ser confirmada mediante autópsia. Como esse Mal também pode surgir por influência genética, se houver suspeita de Alzheimer, a Medicina analisa os sintomas e faz um detalhado histórico pessoal e familiar.

Além disso, avaliações minuciosas de comportamento, testes psicológicos e a exclusão de outras doenças mentais são marcadores de diagnóstico relevantes para a definição do tratamento do Alzheimer.

Assim, essa doença inspira bastante cuidado e atenção, pois compromete tanto as capacidades físicas como as funções cognitivas. Desse modo, para garantir a segurança e evitar maiores problemas relacionados à doença, é necessária a ajuda de um profissional bem preparado e que possua formação específica para cuidar de idosos.

Quais os principais sintomas dessa doença?

A doença de Alzheimer, no início, pode ser assintomática. Além disso, ela pode se manifestar de forma diferente em cada indivíduo, muito embora haja alguns sinais  em comum. Entretanto, ainda que as causas do Alzheimer estejam indefinidas, convém observar eventuais alterações no comportamento dos idosos, já que podem ser indícios da doença.

A perda de memória recente, a dificuldade para se lembrar de fatos do cotidiano ou dos locais que colocou objetos de uso diário, por exemplo, são dignos de atenção especial por parte dos familiares ou do cuidador que auxilia a família. Porém, vale ressaltar a importância de uma avaliação médica para diferenciar esses sintomas e não incorrer no risco de confundi-los com episódios de estresse.

Listamos alguns eventos que, isoladamente, podem ser comuns no comportamento de muitas pessoas, mas que quando ocorrem associados indicam a necessidade de uma avaliação mais criteriosa. Confira:

  • necessidade de auxílio para higiene pessoal e atividades diárias;
  • dificuldade em reconhecer amigos ou familiares;
  • insônia, irritabilidade ou respostas agressivas;
  • perda de memória ou confusão mental;
  • fala repetitiva ou sem sincronia;
  • coordenação motora instável;
  • incontinência urinária e fecal;
  • redução do vocabulário.
E quais as causas do Alzheimer?

Dentre as principais questões que influenciam o surgimento do Mal de Alzheimer, as que mais se destacam são:

Herança genética

Ainda que não estejam confirmadas, discute-se a hipótese de alterações genéticas cerebrais como uma possível causa desse problema. Mudanças específicas em um gene que pode causar significativas lesões neuronais e deixar as pessoas portadoras desse gene mais susceptíveis à doença.

Nesses casos, a doença pode surgir precocemente e afetar pessoas na faixa dos 40 anos de idade. Mesmo que o diagnóstico da doença seja raro na juventude, na vida adulta ela pode aparecer como resposta às alterações genéticas.

Proteínas acumuladas no cérebro

Em portadores do Mal de Alzheimer já foi observado um acúmulo anormal de proteínas — chamadas proteína Tau ou Beta-amiloide. Não se sabe ao certo o que causa esse acúmulo, mas essas substâncias provocam desorganização celular nos neurônios, redução das funções celulares, inflamação e destruição dos tecidos cerebrais,

Redução da acetilcolina

A acetilcolina é um neurotransmissor liberado pelas células cerebrais, cuja função é transmitir os impulsos nervosos para o cérebro desempenhar seu trabalho. Por isso, uma das formas de tratamento do Alzheimer é o uso de medicamentos para aumentar a captação de acetilcolina a fim de retardar a progressão da doença.

Idade acima dos 70 anos

O fator idade é um grande risco para o desenvolvimento de Alzheimer: na fase senil, o organismo fica mais vulnerável às doenças. Além disso, não consegue reparar, adequadamente, as alterações que podem surgir como consequência natural da idade.

Qual a influência do estilo de vida no surgimento do Alzheimer?

Muito embora as causas do Alzheimer ainda não estejam esclarecidas, há alguns fatores no estilo de vida que exercem considerável influência na prevenção ou na manifestação tardia dos sintomas dessa doença.

Confira, agora, quais são esses fatores e como eles podem ser benéficos para retardar o Mal de Alzheimer.

Manter o cérebro ativo

O cérebro humano possui milhões de neurônios e estima-se que boa parte das células cerebrais podem ser regeneradas se a mente e o corpo forem mantidos em constante atividade.

A prática da leitura e de palavras-cruzadas, jogos de tabuleiro, o aprendizado de instrumentos musicais ou de uma língua estrangeira na terceira idade são hábitos que devem ser cultivados. Tais medidas são fundamentais para o desenvolvimento de reações que ativam os neurônios e retardam o surgimento de doenças como o Alzheimer.

Ter uma alimentação saudável

Além de manter o corpo saudável, os hábitos alimentares também exercem um efeito protetor sobre as doenças relacionadas à mente. A escolha dos alimentos é fundamental para garantir os nutrientes ideais ao combate dos radicais livres que causam o envelhecimento celular e influenciam o aparecimento de doenças precoces.

Praticar exercícios físicos

Outra questão importante para combater o surgimento de doenças degenerativas, como o Alzheimer, é a prática de atividades físicas regulares. Alongamentos, caminhadas, exercícios aeróbicos, yoga, danças e ações desportivas são essenciais para manter a integridade física e mental.

Como um curso especializado pode auxiliar no cuidado com os portadores dessa doença?

Pessoas com Alzheimer podem ter uma vida normal, mas na hora do banho, por exemplo, pode ser um desafio: exige-se paciência, tato e muita habilidade para lidar com idosos e explicar para eles a importância dos hábitos de higiene para manter a boa saúde.

Assim, eles precisam ser convencidos da necessidade de banho e de higiene pessoal. Muitos também desenvolvem fobias e passam a não gostar de janela aberta, ar condicionado ou ventilador. Pois um dos efeitos dessa doença em idosos é o medo de água e de vento.

Diante dos problemas decorrentes do Mal de Alzheimer, uma das melhores opções para os familiares dos portadores da doença é contratar os serviços de Home Care. Isso é essencial para a indicação de um profissional que tenha experiência e formação adequada para atuar nessa área.

Nesse contexto, além do conhecimento sobre os principais sintomas e causas do Alzheimer, é importante contar com profissionais que tenham uma visão diferenciada dessa doença. Assim, será possível garantir a qualidade de vida e a promoção da saúde de quem, nessa fase da vida, precisa ainda mais de cuidado, carinho e atenção.

Gostou deste artigo? Veja, então, como o nosso curso de especialização em cuidador de idosos pode preparar você para trabalhar com portadores de Alzheimer!

1 Comment

  1. Pingback: Demência Senil – saiba o que é

Escreva um comentário

× Fale com a Dila!