A sexualidade em idosos – vamos falar sobre isso?

Sexualidade – A falta da prática dos profissionais da área de saúde, em conversar com os idosos sobre o ato sexual nas consultas pode acarretar prejuízos para que os mesmos tenham um envelhecimento satisfatório e com qualidade.

Observamos então, ser primordial o debate acerca desta temática, pois o envelhecimento populacional traz consigo demandas a serem enfrentadas. Nesta perspectiva, novas formas de enfrentamento devem ser elaboradas para dar conta desta nova realidade, visto que a qualidade de vida na velhice é hoje um tema relevante, pois o Brasil caminha para ser um país longevo.

O envelhecimento é um processo natural que ocorre com o individuo. Contudo, este fenômeno ocorre de maneira diferenciada em cada pessoa, pois o mesmo depende do estilo de vida adotado por cada um.

A velhice sempre existiu, mas na contemporaneidade, a sociedade brasileira está envelhecendo num ritmo muito acelerado. De acordo com as projeções do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nos próximos 15 anos a população idosa ultrapassará os 40 milhões. Diante desta conjuntura, compreender a dinâmica do envelhecimento para enfrentar os seus desafios é de extrema relevância.

Os estudos acerca dos idosos ainda é muito recente, no entanto, diversos segmentos estão começando a pesquisá-lo, visto que o Brasil está caminhando para se tornar um país de longevos.

Envelhecer não significa enfraquecer, ficar triste ou assexuado. Entretanto, em nossa cultura, diversos mitos e atitudes sociais são atribuídos às pessoas com idade avançada, principalmente os relacionados à sexualidade, dificultando a manifestação desta área em suas vidas. (Gradim e colaboradores)

A sociedade ainda entende a relação sexual como uma situação que pertence aos mais jovens e ainda sim, esse é um tema norteado de preconceitos. Com isso, a compreensão de que os idosos sintam prazer e a necessidade de se relacionar sexualmente é quase nula.

A população idosa através do seu envelhecimento apresenta as fragilidades naturais da idade, como, doenças, alterações físicas, hormonais, que consequentemente afetará seu comportamento, sua forma de se relacionar com seu parceiro, incluindo a sexualidade, mas não quer dizer que perderam os desejos pelo ato sexual.

Neste contexto, os profissionais de saúde tem um papel importante, visto que abordar este tema sexualidade com os idosos se faz necessário. Entretanto, a maioria dos profissionais não aborda essas questões, ainda permanece com o foco nas doenças. O sexo não é abordado nas consultas. Fica de lado o fato que algumas medicações podem alterar o desejo sexual.

Os profissionais precisam ter sensibilidade para abordar o tema com seus pacientes idosos. Envelhecer é inevitável, mas que seja com qualidade. As mudanças que ocorrem no avançar da idade são inúmeras. Essa população é mais propensas a determinadas enfermidades. Com isso, ocorre à diminuição da libido, a perda total ou parcial do interesse pelas práticas sexuais. Contudo, se os idosos tiverem boa saúde, poderão manter a sua vida sexual ativa. O corpo até a morte tem a sua função sexual mantida, porém com suas especificidades em cada fase da vida.

O envelhecimento não faz com que o individuo perca suas habilidades sexuais, ocorre que a prática sexual perpassa várias etapas da vida. Na velhice surgem peculiaridades especificas, e cada idoso busca novas formas de enfrentamento para esta nova realidade. O comportamento sexual para eles está diretamente ligado a princípios, educação, religião, cultura e gênero.  Para muitos idosos a sexualidade ocorre através do carinho e cuidado com o outro e não somente pelo ato sexual . Esses caminhos são vivenciados até a morte.

O debate acerca do tema sexualidade e envelhecimento é de extrema relevância na contemporaneidade. Os idosos são sujeitos de direitos e como tal, precisam ser informados sobre as particularidades que a idade avançada acarreta.

A velhice é vivenciada de forma diferente entre homens e mulheres. É repleta de desafios e dificuldades, mas existem também conquistas. Tudo depende de como a população idosa encara essa nova etapa da vida e suas transformações.

A sociedade ainda percebe os mais velhos como alguém que já contribuiu e que hoje somente precisa descansar. A sexualidade na velhice é vista como um tabu e isso afeta diretamente o psicológico desse segmento populacional.

Por fim, o sexo para os longevos pode ser sim, prazeroso e libertador.Os idosos podem se conformar ou podem criar estratégias para terem uma qualidade de vida satisfatória em todos os aspectos. Com isso, a importância dos profissionais de saúde em dialogar com este segmento. Devem orientar sobre sexualidade e alertar sobre proteção e doenças sexualmente transmissíveis. Acredito que profissionais de diversas áreas precisam estar capacitados para esta abordagem, visto a relevância do trabalho multidisciplinar com idosos.

LUCIANA DE OLIVEIRA MARTINS DE ARAÚJO FERREIRA

Assistente Social | UNIABEU

 

Referências Bibliográfica :SOUZA. Ana Maria Magalhães (Org.) ARTIGO A PRÁTICA SEXUAL E O ENVELHECIMENTO – Ano 2007

 

 

Escreva um comentário

Share This