A nossa pele é dividida por três camadas, sendo elas, epiderme, derme e hipoderme. Uma das suas principais funções é conservar a temperatura corporal e proteger todo o interior do corpo. Por isso, sofre com impactos, cisalhamentos e pressão externa.

No idoso, a pele é mais frágil, ressecada, e tem perda de elasticidade pelo enfraquecimento, que pode ser dividido em “envelhecimento extrínseco” e “envelhecimento intrínseco”. O primeiro acontece por fatores externos como exposição ao sol, uso de álcool e drogas e o segundo é com o avanço da idade.

À medida que os anos passam, a pele envelhece. Por esse motivo, o idoso com deficiência de mobilidade tem mais chances de desenvolver a Lesão por Pressão (LPP).
A LPP ocorre quando há uma pressão entre o tecido e uma superfície dura, causando morte tecidual, geralmente localizada em regiões de maior proeminência óssea, podendo ser porta de entrada para infecções.
Ela é também conhecida como escara, úlcera de decúbito e úlcera por pressão (UPP).

Como prevenir a Lesão por Pressão?

A prevenção da LPP é extremamente importante, tendo em vista, a grande dificuldade de tratamento dessas lesões e o estágio que elas podem chegar a um curto período de tempo.

Nos pacientes idosos as medidas de prevenção devem ser ainda mais rigorosas, porque sua pele é mais frágil e está mais vulnerável a desenvolver a LPP.

Algumas dicas para prevenção:

• Fazer mudança de decúbito a cada 2h
• Não deixar roupa/camisola/ lençol embolado embaixo do paciente acamado
• Fazer coxins e colocar entre as proeminências ósseas
• Hidratar a pele com cremes a base de A.G.E e/ou UREIA
• Controlar ingesta hídrica (dificilmente o idoso pede água, então, temos que ofertar)
• Ofertar alimentos ricos em vitaminas conforme prescrição médica
• Manter o idoso longe de estresse e preocupações (o estresse oprime o sistema imunológico)

Diga NÃO a Lesão por Pressão!

Escreva um comentário

Share This