O envelhecimento da população brasileira e o desejo de proporcionar uma velhice tranquila para os familiares, são os principais fatores que fazem da profissão de cuidador de idosos um segmento crescente no Brasil.

Esse trabalho exige uma série de competências e características profissionais, como o desejo de ajudar as pessoas e o equilíbrio emocional. No entanto pelas exigências desse ofício, o sucesso da carreira é muitas vezes esbarrado no despreparo profissional.

A seguir, descubra o que é preciso para embarcar nessa profissão, quais as consequências do despreparo profissional e, ainda, como adquirir a qualificação necessária para atuar nessa área. Vamos lá?

O que é preciso para se tornar um cuidador de idosos?

A profissão de cuidador de idosos exige determinados conhecimentos para o desempenho das funções. Saiba mais sobre esses pontos a seguir.

Atribuições

As funções desse profissional normalmente variam de acordo com a demanda, ou seja, as condições físicas e mentais a que o idoso que necessita de cuidados se encontra. Assim, cada família pode estabelecer, no ato da contratação, as atividades desempenhadas pelo cuidador. As mais comuns são:

  • higiene pessoal (troca de fraldas, escovação de dentes e banho);
  • companhia (conversas, atividades de recreação e promoção do bem-estar, caminhadas, artesanato, atividades culturais e banho de sol);
  • administração de medicamentos de acordo com a orientação médica;
  • ajuda em tarefas domésticas;
  • cuidar da alimentação (pode envolver a compra de ingredientes, o cardápio, o preparo da comida e a ajuda na hora da refeição);
  • cuidar para que o ambiente no qual o idoso vive esteja agradável e sem riscos à sua segurança;
  • garantir que o paciente se sinta confortável;
  • estar atento à sua saúde e qualidade de vida em geral;
  • manter, dentro do possível, a sua autonomia para tomada de decisões simples, de acordo com as suas condições.

Características do cuidador

O trabalho de cuidador exige, mais do que saber desempenhar as atribuições para as quais você foi contratado, características que demonstrem equilíbrio emocional, traço da personalidade do cuidador ideal para o desempenho da profissão.

Isso porque o trabalho pode variar muito, já que você pode ser contratado para trabalhar com idosos em plenas capacidades mentais, mas com algumas limitações físicas, como também pacientes que possuem bastante debilidade. Em ambos os casos, essas pessoas podem estar sofrendo emocionalmente devido às atuais condições de vida.

Essas situações exigem inteligência emocional para que o cuidador saiba agir e enfrentar qualquer situação, até mesmo as mais difíceis. Quando isso não acontece, o idoso pode ser vítima do despreparo profissional. Isso é ruim tanto para o idoso quanto para o cuidador, que não conseguirá desempenhar o seu trabalho corretamente.

Por isso, para quem deseja ingressar nessa carreira, é importante se atentar ao exercício de algumas habilidades relacionadas ao emocional. São elas:

  • paciência para que possa compreender as limitações da pessoa idosa;
  • empatia para se colocar no lugar do idoso e, a partir de seu modo de ver a vida, entender as duas dores e problemas;
  • atenção para desempenhar as funções corretamente, sem colocar a vida ou o bem-estar da pessoa cuidada em risco;
  • capacidade de ser um bom ouvinte;
  • autocuidado, pois a saúde do cuidador também é importante nesses casos;
  • vontade de estar sempre aprendendo para buscar qualificação na área e melhorar os serviços prestados.

Quais são as consequências do despreparo profissional?

O despreparo profissional na profissão de cuidador de idoso aparece quando a pessoa não cumpre as funções para as quais foi designada com empenho e também não busca desenvolver as características necessárias para o cargo. 

Infelizmente, não são raras as vezes que nos deparamos com notícias de pessoas que cuidam de idosos fazendo agressões físicas e verbais. Esse despreparo profissional pode comprometer profundamente a saúde do paciente, que, por sofrer maus-tratos, acaba desenvolvendo quadros de depressão e piora na sua qualidade de vida.

O idoso, vítima desse tipo de tratamento, costuma apresentar comportamentos estranhos, como estresse, falta de apetite, agressividade e marcas pelo corpo. É importante lembrar ainda que essas ações são crimes e devem ser reportadas às autoridades para que o responsável pelas agressões sofra as devidas punições.

Além das violências, a própria falta de conhecimento técnico e emocional é refletida nos resultados do serviço prestado. Como se trata de um ser humano necessitado, as consequências podem colocar a vida do idoso em risco, mesmo sem a intenção do cuidador.

Por outro lado, o despreparo profissional também afeta diretamente a carreira do cuidador. Quando esse profissional não tem a preparação necessária e nem inteligência emocional para lidar com situações extremas (agressividade do idoso, agravamento da saúde e até o seu falecimento), ele pode desenvolver problemas como depressão e ansiedade, além de deixar a saúde física debilitada, comprometendo o desempenho do trabalho.

Como adquirir capacitação?

Até aqui, vimos o que é preciso para se tornar um cuidador de idosos responsável e quais as consequências da falta de preparo para atuar nessa função. Para resolver esse problema a resposta é simples: capacitação.

Para desempenhar o papel de cuidador, de acordo com a legislação vigente no Brasil, você deve fazer um curso na modalidade livre, específico para área. O curso de cuidador de idosos, por meio de aulas teóricas e práticas, capacita você para desempenhar todas as funções citadas neste artigo, além de treinar o profissional para agir em situações extremas.

A capacitação também ensina o aluno a agir com humanidade, conhecer direitos e deveres e a desenvolver competências para um bom trabalho, focado no bem-estar do idoso.

Ademais, o aluno pode procurar fazer outros cursos que agreguem competências ao trabalho, como um curso de primeiros socorros, sinais vitais, cuidado específico para algumas doenças, dentre outros. Cursos superiores como enfermagem ou fisioterapia podem também expandir o leque de atuação e tornar o cuidador um profissional ainda mais completo.

Neste artigo, você pôde entender de que forma o despreparo profissional pode atrapalhar o desempenho da função de cuidador de idosos. Se você tem o perfil e deseja seguir nessa área, busque a qualificação necessária e aproveite as oportunidades que esse segmento tem a oferecer.

Gostou deste artigo e quer ficar por dentro de mais dicas sobre o curso de cuidador de idosos? Não perca tempo e assine a nossa newsletter!

Escreva um comentário

Share This