Alimentação do idoso – por que devemos ter mais cuidado

Os cuidados com envelhecimentos além da estética

Alimentação é a base da boa saúde em qualquer idade.

Sabemos disso.

Nos idosos é fundamental esse cuidado, sabe por quê?

Por causa do envelhecimento dia após dia, que vai muito além da estética. A informação pode parecer óbvia, mas não é, quando observamos que a discussão do envelhecimento é muito mais para estética do que para todos os órgãos internos do corpo humano.

A partir do envelhecimento, o nosso sistema gastrointestinal também envelhece.

Alguém se lembra disso com frequência?

Não basta cuidar do peso sem atentar para, principalmente, a qualidade dos alimentos que consumimos nas refeições diárias.  Assim, vamos cuidar bem do nosso sistema digestivo.

Dicas para uma boa alimentação do idoso

Para uma alimentação saudável, o idoso deve ter alguns cuidados básicos que vão da escolha a compra do alimento.

  • Possuir uma dieta equilibrada em carboidratos, proteínas e gorduras, sem o uso em demasia de sal e açúcar.
  • Uma mastigação devagar e correta dos alimentos ajuda na boa digestão, incluindo o consumo de água entre as refeições.
  • Menos quantidade de alimentos, mais repetições do consumo por intervalos, assim não ajuda sobrecarregar o estômago e mantendo o metabolismo em perfeito funcionamento.

Os idosos devem alimentar-se de quatro a seis vezes ao dia, incluindo alimentos de todos os grupos.

  • É muito importante conter fibras na dieta do idoso e para evitar a prisão de ventre deve-se aumentar a ingestão delas, acrescentando o consumo de no mínimo oito copos de água por dia, e realizar caminhadas.
  • As gorduras saturadas devem ser evitadas enquanto as insaturadas são permitidas como o azeite de oliva, por exemplo.

Quem cuida da alimentação de um idoso não pode esquecer de observar a boa temperatura dos alimentos para o consumo e da importância  das vitaminas e minerais.  As vitaminas são essenciais por adequar diversas funções no organismo, atuando como antioxidante e prevenindo o aparecimento de doenças.

Nas refeições do idoso, sabor, aroma e textura,  são aspectos agradáveis que contribuem como agente incentivador da digestão. Fazer as refeições em local agradáveis é outro ponto de incentivo para o processo da refeição, sem contar com a higienização das mãos.  É bom distribuir a alimentação diária em cinco ou seis refeições.

A ingestão de alimentos de péssima qualidade nutritiva tem sido responsável por grande parte das doenças dos idosos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde em 1950 doenças infecciosas 40% das mortes no país. Hoje essas apontam menos de 10% das mortes. Em contrapartida, as doenças cardiovasculares que em 1950 correspondiam a 12% das mortes, hoje representam mais de 40% as quais se tornaram a primeira razão de óbito no Brasil a partir da década de 60.

Como diz o ditado: Você é o que você come!

 

Share This