Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, 10% dos homens e 20% das mulheres são acometidos pela ITU (Infecção do Trato Urinário) depois dos 65 anos de idade, e o risco pode aumentar depois dos 80 anos.

Mesmo podendo causar impacto na uretra, nos ureteres, na bexiga e nos rins, muitas vezes, a infecção urinária apresenta sintomas brandos. Por isso, familiares e cuidadores de idosos devem ficar sempre atentos. Se não for tratada devidamente, sua presença pode implicar sérias complicações.

Com tudo isso em vista, neste post, reunimos informações importantes para que você entenda melhor sobre o assunto e saiba quais são os cuidados essenciais que evitam a infecção urinária em idosos. Continue a leitura e confira!

De que maneira a infecção urinária acontece?

O trato urinário é atacado por micro-organismos de duas maneiras:

  • via ascendente — quando a bactéria surge externamente e sobe pela uretra, atingindo a bexiga, os ureteres e os rins;
  • via hematogênica — quando existe uma infecção em outra área do corpo, como pulmão ou coração, e ela se espalha internamente.

Quais são os principais sintomas da infecção urinária em idosos?

A incidência de ITU em idosos aumenta consideravelmente devido à baixa imunidade do organismo. Os sintomas que devem ser observados pelos cuidadores de idosos e/ou por seus familiares são os seguintes:

  • disúria — dor ou ardor na hora de urinar;
  • polaciúria — urinar várias vezes em pequenas quantidades;
  • hematúria — presença de sangue na urina;
  • noctúria — urinar várias vezes durante a noite;
  • urina escura e com forte odor;
  • sensação de peso na região do baixo-ventre;
  • dor lombar e/ou abdominal;
  • febre e calafrios;
  • náuseas e vômitos;
  • desidratação e falta de apetite;
  • descompensação do diabetes;
  • alterações neurológicas — sonolência e confusão mental.

Como prevenir a infecção urinária em pacientes idosos?

Uma das funções do cuidador de idosos é prevenir que seus pacientes desenvolvam a infecção urinária. Então, abaixo, conheça 5 maneiras de evitar a ITU!

1. Fazer a higiene adequadamente

Sempre que possível, o banho deve ser dado no chuveiro e deve-se lavar a região perianal após as evacuações. Caso o paciente seja usuário de fraldas geriátricas, é necessário trocá-las regularmente.

2. Manter o paciente hidratado

Se não houver contraindicações, convém incentivar o idoso a beber bastante líquido (de preferência, água mineral). O recomendado é cerca de 2 litros por dia.

3. Incentivar o ato de urinar

A retenção de urina na bexiga durante muito tempo pode desencadear a infecção urinária. Isso acontece porque as bactérias presentes na urina encontram o ambiente ideal para se proliferarem.

4. Ministrar os medicamentos corretamente

O uso indiscriminado de certos medicamentos, como antibióticos, pode estimular a infecção urinária em pacientes idosos. Por isso, os cuidadores de idosos devem seguir corretamente as instruções dos médicos e/ou dos familiares.

5. Manter o controle do diabetes

Pacientes portadores de diabetes tipo I e II estão sujeitos a contrair a ITU com mais facilidade. O organismo do diabético está mais debilitado, o que facilita a proliferação de bactérias. Por isso, é necessário manter o diabetes do paciente bem controlado.

Quais são os tipos de infecção urinária?

Cistite

Devido à sua anatomia, as mulheres estão mais sujeitas a desenvolver esse tipo de infecção, que é causada pela bactéria Escherichia coli. Além disso, a relação sexual também pode desencadear a doença.

Uretrite

Causada pelas bactérias provenientes do sistema gastrointestinal. Infecções como herpes e gonorreia também são desencadeadoras da uretrite.

Pielonefrite

Nesse tipo, as bactérias desenvolvem-se na uretra ou na bexiga e sobem em direção aos rins. A pielonefrite pode acometer um rim ou os dois. Se não for tratada a tempo, a doença pode causar danos irreversíveis aos órgãos, assim como levar a óbito devido a uma infecção generalizada.

Infecção nos ureteres

Nessa situação, a infecção acomete o canal que transporta a urina dos rins até a bexiga.

Quais são os fatores de risco?

Alguns fatores podem predispor mais às infecções urinárias. Entre eles, podemos destacar:

  • vida sexualmente ativa e uso constante de métodos contraceptivos, como os espermicidas;
  • pacientes portadores de diabetes tipo I e II ou de doenças renais crônicas;
  • bloqueios no trato urinário, tais como pedras nos rins e aumento da próstata;
  • sistema imunológico debilitado, pois facilita a proliferação de bactérias;
  • uso de cateter para urinar, pois também facilita a entrada de micro-organismos;
  • menopausa, uma vez que a baixa quantidade de estrogênio promove mudanças no trato urinário, isso facilita a entrada de bactérias;
  • uso de fraldas geriátricas em pessoas que sofrem de incontinência urinária, na medida em que elas facilitam a proliferação de bactérias.

Como diagnosticar a infecção urinária?

Ao notar os primeiros sintomas da ITU em pacientes idosos, cabe ao cuidador notificar a família e entrar em contato com o médico responsável. Os exames necessários para diagnosticar a infecção urinária são:

Exame de urina

É o procedimento mais comum pedido pelos médicos. O exame aponta a taxa de leucócitos e fica pronto em apenas duas horas.

Cultura de urina

Uma amostra de urina é examinada no laboratório, a fim de cultivar a bactéria presente no material. Esse procedimento detecta qual bactéria está causando a infecção e qual antibiótico é o recomendável para eliminá-la. O resultado demora de três a sete dias para ficar pronto.

Exames de imagem

Em casos mais específicos, o médico pode pedir uma tomografia ou um ultrassom para identificar se existe alguma anormalidade no trato urinário. O uso de contraste será solicitado se o médico achar necessário.

Quais são os tratamentos indicados?

A primeira recomendação para tratar os pacientes idosos acometidos pela infecção urinária é a hidratação adequada e o repouso orientado pelo médico. O uso de anti-inflamatório é indicado para aliviar sintomas, como a disúria.

Os antibióticos são ministrados para encurtar o tempo da doença e evitar possíveis complicações. Nesse caso, o tratamento é empírico até que o resultado da cultura fique pronto.

Estar atento aos sintomas da infecção urinária faz parte da função de um cuidador de idosos. E cabe a esse profissional comunicar rapidamente aos familiares e ao médico responsável para evitar possíveis complicações. É importante lembrar que o cuidador de idosos deve promover a saúde e o bem-estar de seus pacientes!

Então, gostou deste artigo sobre infecção urinária? Deixe seu comentário no post. Sua opinião é muito importante para nós!

Escreva um comentário

Share This